Arquivo

Textos com Etiquetas ‘a casa dos cães invisíveis’

Sessão de beleza – Banzé

26, janeiro, 2017
banze

                                                 ANTES X DEPOIS

Sempre que reencontramos nossos protegidos da aldeia Praia de Fora ficamos emocionados. É incomensurável a alegria e gratidão dos patudos ao avistarem a nossa equipe. A motivação em subir a longa e íngreme trilha na mata vem deles, porque sempre tem festa na nossa chegada. Um dos resultados positivos de nosso trabalho em comunidades carentes é que estamos com uma galerinha muito peluda precisando de tosa – cães que até pouco tempo tinham a pele enegrecida, sem pelos. A tosa do Banzé foi improvisada, pois sua tutora mora no alto de uma montanha sem energia elétrica. Os pelos foram cortados a tesouradas, mas ele adorou a sessão de beleza e curtiu cada minuto! Faça parte destas transformações apoiando a OBA!

VEJA TODAS AS FOTOS AQUI.

Ação em comunidades indígenas, Mutirão Mata-fome ,

25 de dezembro – Dia de Natal

25, dezembro, 2016
23 de maio de 2016: Quando os conhecemos, passaram a ser chamamos de "cães invisíveis" porque se confundiam com a paisagem. 23 de maio de 2016: Estavam desnutridos, sem pelo e com a pele enegrecida. Eram muitos assustados e não interagiam, e pela condição precária de saúde, permaneciam a maior parte do tempo deitados, apáticos. Como não havia desgaste das unhas, tinham verdadeiras garras que prejudicavam o caminhar dos animais. Neste dia iniciou-se uma verdadeira força-tarefa. Os animais passaram a receber visitas semanais da equipe da OBA! e a ganhar ração. 25 de dezembro de 2016: A hora da despedida é sempre difícil... vejam as orelhinhas abaixadas e semblantes tristonhos. Mas eles sabem que em breve vamos voltar.

23 de maio de 2016: Quando os conhecemos, passaram a ser chamamos de “cães invisíveis” porque se confundiam com a paisagem. Estavam desnutridos, sem pelo e com a pele enegrecida. Eram muitos assustados e não interagiam, e pela condição precária de saúde, permaneciam a maior parte do tempo deitados, apáticos. Como não havia desgaste das unhas, tinham verdadeiras garras que prejudicavam o caminhar dos animais. Neste dia iniciou-se uma verdadeira força-tarefa. Os animais passaram a receber visitas semanais da equipe da OBA! e a ganhar ração.
25 de dezembro de 2016: A hora da despedida é sempre difícil… vejam as orelhinhas abaixadas e semblantes tristonhos. Mas eles sabem que em breve vamos voltar.

No dia de Natal assumimos a missão de ser o Papai Noel de uma turminha patuda que, não vamos negar, temos um carinho especial. Nós os identificávamos como “os cães invisíveis”, porque quando os conhecemos se confundiam com a paisagem, tornando-se quase “invisíveis” a olhares menos atentos. Mas não faz mais sentido chamá-los assim. Em pouco tempo, vimos os pelinhos crescerem, as costelas sumirem, e o mais comovente: eles passaram a latir, brincar e a fazer uma linda festa quando chegávamos.

As transformações não demoraram para acontecer. Banzé está tão peludo agora que está até precisando de uma tosa hehehe. Olha ele com o seu chaveirinho. Spike estava tão debilitado que tinha secreção nos olhos e mal conseguia se manter em pé. Hoje é o cão mais forte e o lider da matilha. Cabará é uma vovozinha que também estava muito fragilizada. Todas as fêmeas adultas - até as mais velhinhas como ela - já foram castradas. Esta é nossa maior vitória, já que a tutora apresentava resistência quanto à castração no início da ação.

As transformações não demoraram para acontecer. Banzé está tão peludo agora que está até precisando de uma tosa hehehe. Olha ele com o seu chaveirinho. Spike estava tão debilitado que tinha secreção nos olhos e mal conseguia se manter em pé. Hoje é o cão mais forte e o lider da matilha. Cabará é uma vovozinha que também estava muito fragilizada. Todas as fêmeas adultas – até as mais velhinhas como ela – já foram castradas. Esta é nossa maior vitória, já que a tutora apresentava resistência quanto à castração no início da ação.

Antes medrosos e arredios, se transformaram em cães muito carinhosos e afetuosos. De lá para cá, todas as fêmeas adultas foram castradas (Vitória!!) e todos estão microchipados, vacinados, vermifugados e com pipeta antipulgas. E mesmo que o acesso seja difícil – são 40 minutos morro acima – a ração nunca deixou de chegar. Para nós, este é o verdadeiro sentido do Natal, que deve ser colocado em prática dia a dia.

25 de dezembro de 2016: DIA DE NATAL. Assumimos com amor a missão de ser o Papai Noel dessa turminha sorridente.

25 de dezembro de 2016: DIA DE NATAL.
Assumimos com amor a missão de ser o Papai Noel dessa turminha sorridente.

VEJA TODAS AS FOTOS AQUI.

Ação em comunidades indígenas, Mutirão Mata-fome , ,

Isadora – a casa dos cães invisíveis

24, agosto, 2016
Quando passamos a amparar os animais desta casa, numa comunidade indígena em Palhoça há 3 meses, Isadora e os demais cães estavam subnutridos, sem pelo e visivelmente deprimidos. Com as visitas semanais da OBA, eles foram recuperando a saúde e a vontade de viver.

Quando passamos a amparar os animais desta casa, numa comunidade indígena em Palhoça há 3 meses, Isadora e os demais cães estavam subnutridos, sem pelo e visivelmente deprimidos. Com as visitas semanais da OBA, eles foram recuperando a saúde e a vontade de viver.

Em 3 meses de ação na “casa dos cães invisíveis”, esta é uma das transformações conquistadas por uma equipe que literalmente sua a camisa (são 40 minutos morro acima para chegar nesta casa carregando quilos de comida).

Isadora foi resgatada deste local e já é um dos nossos xodozinhos. Vocês sabem, nós somos apaixonados pelos velhinhos. <3 Ela quase já não enxerga mais, e de colo em colo, vai curtinho os dias de uma nova vida.

Como é bem velhinha e quase sem enxergar, sua tutora permitiu que levássemos Isadora embora. E aqui está ela, recebendo o melhor colinho do mundo! Se você apoia nosso trabalho, faz parte desta alegria!

Como é bem velhinha e quase sem enxergar, sua tutora permitiu que levássemos Isadora embora. E aqui está ela, recebendo o melhor colinho do mundo! Se você apoia nosso trabalho, faz parte desta alegria!

Veja fotos da primeira visita à “casa dos cães invisíveis”: https://goo.gl/8WaB8m

Ação em comunidades indígenas, Mutirão Mata-fome

Ajude os cães invisíveis

26, julho, 2016

caes-invisiveis

No final de maio, conhecemos uma senhora indígena que mora no alto de uma montanha, pertinho do Cambirela, em Palhoça. Para chegar até o cantinho onde ela e seus companheiros patudos moram, é preciso enfrentar uma trilha na mata por 40 minutos.

Mas disposição e coragem não faltam à equipe do Mutirão Mata-Fome que, desde então, visita semanalmente esta casa, subindo a montanha com quilos e quilos de ração nas costas. Temos motivação de sobra; antes, os cães mal levantavam de fraqueza e fome… hoje, nos recebem com latidos e festa.

Estes patudos sofrem de uma doença crônica de pele, a conhecida sarna demodécica – que não tem cura, mas pode ser controlada com tratamento e alimentação adequada. Nestes três meses eles já melhoraram muito, mas para mantê-los saudáveis e peludos, precisam da coleira Preventic, da Virbac. Esta coleira é medicinal e libera gradativamente o remédio para manter a sarna sob controle por 4 meses.

Então fica aqui nosso pedido por esses peludinhos. Sim, agora podemos chamá-los assim: eles têm pelo, cor, disposição e um corpinho aquecido para enfrentar o inverno.

Pontos de arrecadação:

– Pet Affetto: Rua Lauro Linhares, 636, Trindade – Próximo ao Banco do Brasil.

– Clínica Veterinária Biofilia: Rua Thiago da Fonseca, 303, Capoeiras – Próximo da ‘Nossa Loja Tramontina’.

Banco do Brasil (banco 001)
Agência: 1453-2
Conta Corrente: 36.798-2
Titular: Organização Bem-Animal
CNPJ: 09.454.046/0001-55

Acompanhe as fotos do Mutirão Mata-Fome:
https://picasaweb.google.com/oba.floripa

Ação em comunidades indígenas, Mutirão Mata-fome

A casa dos cães invisíveis

18, junho, 2016

Lembram-se da “casa dos cães invisíveis”? Logo, logo deixaremos de chamá-los assim, eles já começam a mostrar a cor dos pelinhos que estão nascendo.
Esta é a recepção agora, tão diferente das primeiras visitas, quando nem tinham energia e vitalidade para levantarem. É preciso muito motivação para encarar a subida de 40 minutos de trilha na mata, levando os sacos de ração a tiracolo. Mas a gratidão e alegria deles é o que nos move. <3

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Ação em comunidades indígenas, Mutirão Mata-fome